BOVESPA-Discurso de Bernanke eleva pessimismo e índice cai 2,5%

terça-feira, 15 de julho de 2008 11:47 BRT
 

SÃO PAULO, 15 de julho (Reuters) - A Bolsa de Valores de São Paulo operava no vermelho nesta terça-feira, de braços dados com os mercados internacionais, em resposta a previsões negativas do presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, sobre a economia dos Estados Unidos.

Às 11h46, o Ibovespa .BVSP, principal índice da bolsa paulista, registrava desvalorização de 2,45 por cento, aos 59.236 pontos. O volume financeiro de negócios somava 1,5 bilhão de reais.

Inflação recorde na Grã-Bretanha, desaceleração econômica no Japão e forte queda na confiança do consumidor da Alemanha juntavam-se a temores de novas perdas de grandes instituições financeiras para levar o principal índice das bolsas européias ao menor nível desde 2005. Antes, as praças asiáticas já tinham fechado no pior patamar em dois anos.

Em Wall Street, o pessimismo era turbinado pela notícia de que a agência Moody's reduziu o rating da Fannie Mae, uma das principais firmas hipotecárias dos Estados Unidos ao lado da Freddie Mac, reforçando temores de novas perdas relacionadas à crise no setor imobiliário do país.

O clima azedou de vez com a repercussão negativa ao conteúdo das declarações Bernanke ao Senado norte-americano, prevendo que a economia do país vai crescer menos e a inflação, mais.

O índice Dow Jones .DJI recuava 1,5 por cento, enquanto o S&P, também da Bolsa de Nova York, cedia 1,6 por cento. Ambos chegaram a cair mais de 2 por cento.

"Essas notícias estão deixando o mercado ainda mais cismado", disse Ricardo Tadeu Martins, gerente de pesquisa da Planner corretora.

Na Bovespa, as ordens de vendas pesavam com mais força sobre as ações de teles e de siderúrgicas. As preferenciais da Vivo VIVO4.SA caíam 4,37 por cento, para 8,75 reais, no segundo dia seguido de forte desvalorização.

Dentre as fabricantes de aço, os papéis preferenciais da Gerdau Metalúrgica GOAU4.SA declinavam 3,47 por cento, para 46,50 reais.   Continuação...