15 de Outubro de 2008 / às 13:17 / em 9 anos

Quintão e Lacerda partem para o ataque direto na disputa em BH

BELO HORIZONTE, 15 de outubro (Reuters) - Depois de trocas de farpas e ataques velados e com as primeiras pesquisas eleitorais mostrando cenário oposto ao do primeiro turno, com Leonardo Quintão (PMDB) à frente de Marcio Lacerda (PSB) na disputa pela prefeitura da capital mineira, os candidatos acirraram os discursos e adotaram a agressividade como tática aberta de campanha.

Em sabatina organizada por um jornal mineiro, Quintão afirmou que Lacerda não foi preso político e fez acordo com o regime militar para sair da cadeia.

“Ele foi preso comum, porque é assaltante, ele foi lá no comércio e deu coronhadas na cabeça de um moço. Preso político foi Lula”, atacou o peemedebista. “Isso não é preso político, é preso comum. Ele fez acordo com os militares para ter condicional. Preso político não fazia acordo com os militares”, completou Quintão.

Em diversos atos de campanha e em seus programas eleitorais, Lacerda enfatiza o fato de ter sido preso durante a ditadura e usa isso como credencial política. Várias vezes, inclusive, ele e o prefeito da capital, Fernando Pimentel (PT) --principal fiador político de Lacerda ao lado do governador Aécio Neves (PSDB)-- contaram que foram vizinhos de cela em Juiz de Fora (MG).

O tiroteio, no entanto, não é unilateral. Em ato de campanha, Lacerda também disparou contra Quintão. “Nós pretendemos mostrar a face do nosso adversário de forma aberta, de forma absolutamente legal. Não aprovo nenhuma espécie de campanha subterrânea e maledicente”, disse o pessebista.

“Ele demonstra que é uma pessoa destemperada. Aquele ator bonzinho que aparece na televisão não tem nada a ver com a realidade. Quando é contrariado, é imprevisível a reação dele”, disse Lacerda.

“Essa imagem mostra isso. Isto tem a ver com a pouca idade, com a inexperiência. O equilíbrio a gente alcança com a idade, a experiência e a vivência”, acrescentou Lacerda, que citou ainda processo contra o peemedebista.

A imagem à que o candidato se referia é que foi veiculada em suas inserções nas emissoras de TV de Belo Horizonte, na qual Quintão aparece dizendo que vai dar “chute na bunda” de adversários. O fato ocorreu durante convenção do PMDB em Ipatinga, cidade no Vale do Aço mineiro, onde o pai de Quintão, o prefeito peemedebista Sebastião Quintão, perdeu a reeleição para Chico Ferramenta (PT).

A Justiça Eleitoral mineira determinou na terça-feira que o vídeo fosse retirado do ar, sob o argumento de que o material apresenta imagens externas, o que é vedado pela legislação eleitoral.

O áudio com as palavras do adversário, no entanto, continuou sendo veiculado nas inserções de rádio de Lacerda na manhã desta quarta-feira, acompanhado do locutor que pergunta se “É isso que a gente quer para BH?”.

“Sou bem humorado e gosto de brincadeiras. Estava brincando e também falei de futebol”, justificou Quintão, referindo-se à ocasião em que o vídeo foi gravado.

Uma série de denúncias anônimas contra os dois candidatos também começou a circular em sites, blogs e vídeos na Internet, mas os dois candidatos negaram qualquer relação com o material divulgado.

Reportagem de Marcelo Portela; Edição de Renato Andrade

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below