October 15, 2008 / 9:38 PM / 9 years ago

BOVESPA-Recessão apavora e índice tem pior queda em uma década

4 Min, DE LEITURA

(Texto atualizado com mais informações e números oficiais de fechamento da bolsa)

Por Aluísio Alves

SÃO PAULO, 15 de outubro (Reuters) - Sinais de que a crise financeira já pôs a economia norte-americana no caminho da recessão empurraram os mercados de volta ao desespero, levando a Bolsa de Valores de São Paulo à maior queda em dez anos.

Depois de o circuit breaker ter interrompido os negócios pela quarta sessão em menos de 20 dias, que desta vez postergou o fechamento em meia hora, o Ibovespa .BVSP caiu 11,39 por cento, para 36.833 pontos. O índice não caía dois dígitos no fechamento desde os 15,8 por cento de 10 de setembro de 1998.

O movimento aconteceu num dia de vencimento de opções sobre índice, que ao mesmo tempo ampliou a volatilidade e turbinou o giro financeiro para 7,76 bilhões de reais, o maior em dois meses.

O pêndulo do mercado, que saiu do pânico para e euforia depois de governos de diversos países anunciarem a capitalização de bancos perto do colapso no começo da semana, voltou a se mexer depois de índices da economia norte-americana comprovarem o pior dos temores: a recessão está às portas.

As vendas empresariais nos Estados Unidos tiveram a queda mais forte desde setembro de 2006, ao mesmo tempo em que um relatório mostrou a retração mais profunda em três anos das vendas do varejo no país em setembro.

O humor dos investidores azedou de vez à tarde depois da divulgação do Livro Bege, espécie de sumário macroeconômico do Federal Reserve, o qual trouxe a avaliação de que a economia norte-americana já está se desacelerando.

"Isso já era em parte previsto, mas o cenário de fundo tende a manter o estresse nos mercados", disse Álvaro Bandeira, diretor da corretora Ágora.

Esses números deram combustível extra para as análises já sombrias de que a demanda mundial por commodities vai desabar em 2009. O barril do petróleo CLc1 desabou para a faixa dos 74 dólares, menor nível em 13 meses. Metais industriais, como o cobre, despencaram.

Foi um prato cheio para os investidores que apostavam na queda do mercado, justamente num dia já tradicionalmente volátil de vencimento de contratos de índice futuro, na BM&F.

O elo seguinte dessa cadeia foi uma punhalada nas ações da Bovespa ligadas a matérias-primas, as de maior peso no Ibovespa. Seguindo o recuo do preço do petróleo para o menor nível em 13 meses, Petrobras (PETR4.SA) ruiu 15,35 por cento, para 23,11 reais.

Metais industriais, como o cobre, também despencaram, acrescentando peso à Vale (VALE5.SA), que desabou 16,5 por cento, para 23,13 reais, puxando consigo as ações de empresas ligadas a siderurgia.

Com a queda desta quarta-feira, o Ibovespa já vale metade do valor em cinco meses, quando o índice atingiu sua máxima histórica, aos 73.516 pontos.

Reportagem de Aluísio Alves; Edição de Alexandre Caverni

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below