PANORAMA2-Preocupação com hipotecas acentua turbulência nos EUA

terça-feira, 15 de julho de 2008 17:38 BRT
 

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO, 15 de julho (Reuters) - A crise de confiança no setor financeiro dos Estados Unidos ganhou força nesta terça-feira, dia de intensa volatilidade nas bolsas de valores e de discussões no Congresso norte-americano.

A gangorra de Wall Street terminou com o Dow Jones abaixo de 11 mil pontos pela primeira vez em dois anos.

"Nós estamos de volta ao tom de pânico que enfrentamos em meados de março. A falta de confiança está em um nível muito alto, e isso é totalmente justificável", disse Marie-Pierre Peillon, chefe de pesquisa da Groupama Asset Management, em Paris.

O principal foco de preocupação continuou sobre as agências de hipotecas Fannie Mae FNM.N e Freddie Mac FRE.N, que respondem por metade das hipotecas dos Estados Unidos. Em audiência no Congresso, o chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, disse que a crise do setor imobiliário é "a questão mais crítica e central que enfrentamos."

O dólar perdeu mais espaço diante de outras moedas. O euro, por exemplo, cravou novo recorde ante a moeda norte-americana, acima de 1,60 dólar. No Brasil não foi diferente: o dólar terminou a 1,588 real, menor nível desde janeiro de 1999.

O mercado que deu algum alívio foi o petróleo. Após sucessivos recordes, o barril da commodity caiu mais de 6 dólares num movimento de realização de lucros. Operadores chegaram a citar um acordo nuclear entre o Irã e os Estados Unidos, mas o rumor foi negado pelo país do golfo Pérsico.

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) seguiu a tensão internacional no começo do dia e chegou a cair cerca de 2,5 por cento. No final de um pregão volátil, no entanto, o principal índice da bolsa paulista conseguiu se sustentar em alta.

  Continuação...