Lula divide vitória na OMC sobre algodão com Burkina Faso

segunda-feira, 15 de outubro de 2007 17:48 BRST
 

RIO DE JANEIRO, 15 de outubro (Reuters) - Em visita a Burkina Faso, o maior produtor africano de algodão, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva destacou a vitória do Brasil na Organização Mundial de Comércio (OMC) contra os subsídios norte-americanos aos plantadores de algodão.

Em discurso na abertura de encontro empresarial no país africano, Lula lembrou o apoio de Burkina Faso, Mali, Chade e Benin na disputa travada na OMC.

"Tais subsídios deprimem os preços do produto no mercado internacional e ferem diretamente a economia de países pobres da África. Por isso, a vitória brasileira no contencioso do algodão na OMC foi também uma vitória de Burkina Faso", afirmou Lula, de acordo com transcrição distribuída pelo Planalto.

Brasil e Burkina Faso vão assinar um acordo de cooperação técnica para o cultivo do algodão, que inclui produção, escoamento e comercialização do produto.

"(O protocolo) tornará o agricultor local menos vulnerável às pragas, ao mau tempo e às más práticas dos que subsidiam ilegalmente produtores em países ricos", disse Lula, em declaração após encontro com o presidente de Burkina Faso, Blaise Compaoré.

Lula defendeu os biocombustíveis como alternativa energética e reafirmou seu compromisso no combate à fome, dirigindo-se às críticas de eventual incompatibilidade entre a produção de combustíveis e alimentos.

"Jamais defenderia projetos que tirassem alimentos da mesa dos trabalhadores", disse Lula. "O debate sobre a relação entre biocombustíveis e segurança alimentar é necessário, mas deve ser feito com critério", defendeu.

"Se produzidos de forma adequada, os biocombustíveis podem gerar renda e contribuir para a segurança alimentar das famílias mais carentes."