BOVESPA-Efeito Lehman dita maior queda desde setembro de 2001

segunda-feira, 15 de setembro de 2008 17:05 BRT
 

SÃO PAULO, 15 de setembro (Reuters) - O temor de que o pior da crise financeira norte-americana ainda esteja por vir, reaceso com o colapso do Lehman Brothers, levou a Bolsa de Valores de São Paulo à maior queda diária desde os atentados de 11 de setembro de 2001.

Com uma desvalorização de 7,09 por cento, o Ibovespa .BVSP voltou aos 48.676 pontos, consumindo a maior parte dos ganhos acumulados nas últimas três sessões.

A turbulência acentuou a volatilidade dos negócios, fator já comum em dia de vencimento de opções, calibrando o giro financeiro para 6,1 bilhões de reais, o maior em setembro.

Petrobras (PETR4.SA: Cotações), a mais importante do índice, foi a mais alvejada por ordens de venda. Também sob influênciada pela queda do barril de petróleo para a casa dos 95 dólares, as ações da companhia desabaram 9,12 por cento, para 29,99 reais.

Vale (VALE5.SA: Cotações), a outra blue chip do mercado doméstico, perdeu 8,85 por cento, a 34 reais. Mas a pior do dia foi BM&F Bovespa BVMF3.SA, que desabou 11,9 por cento, a 8,59 reais.

(Reportagem de Aluísio Alves; Edição de Renato Andrade)