China diz ter apreendido explosivos em monastério tibetano

terça-feira, 15 de abril de 2008 14:37 BRT
 

PEQUIM (Reuters) - A polícia chinesa na província de Gansu apreendeu explosivos, facas e outras armas em seis monastérios de uma parte de etnia tibetana da região, disse na terça-feira a Xinhua, agência de notícias oficial.

"A polícia confiscou uma arma, 10 quilogramas de dinamite, cinco detonadores e sete facas em um grande monastério e cinco balas em outro", disse a reportagem, citando o governo provincial.

A polícia também encontrou cinco facas e 11 bandeiras tibetanas em quatro monastérios em outra área de um município de maioria tibetana na província, acrescentou a agência.

Algumas partes de Gansu também têm sido agitadas por protestos anti-chineses, já que, além da maioria tibetana, é vizinha de outras regiões onde a etnia é predominante.

"Até agora, 2.204 pessoas, incluindo 519 monges, se renderam à polícia. Elas têm relação com as insurgências em Gannan", disse a Xinhua, referindo-se à parte de Gansu afetada pela revolta.

"A polícia já libertou, até agora, 1.870 pessoas deste grupo, incluindo 413 monges culpados apenas de delitos menores", acrescentou. "As condições na prefeitura voltaram ao normal, disse o governo local".

A televisão estatal reportou ao longo do fim de semana que a polícia encontrou armas de fogo em um templo tibetano na província de Sichuan, no sudeste.

Os tibetanos têm protestado contra o comando da China e pedem o retorno de Dalai Lama, seu líder budista exilado.

Os manifestantes também interromperam o percurso global da tocha das Olimpíadas de Pequim.

A China acusa o Dalai Lama de ter orquestrado a violência no Tibet e em outras áreas tibetanas do país. Mas ele nega as acusações, dizendo-se contra o uso da violência, apoiando as Olimpíadas e pedindo um diálogo com a China.

(Reportagem de Ben Blanchard)