ATUALIZA-MPF pode abrir inquérito após fala de diretor da ANP

terça-feira, 15 de abril de 2008 16:17 BRT
 

(Texto atualizado com mais informações e com declarações do ministro de Minas e Energia)

Por Denise Luna

RIO DE JANEIRO, 15 de abril (Reuters) - O procurador do Ministério Público Federal do Rio de Janeiro Cláudio Gheventer, ligado à área de defesa do consumidor, será o responsável por avaliar se as declarações do diretor-geral da ANP, Haroldo Lima, sobre uma possível descoberta da Petrobras, serão alvo de inquérito administrativo.

Segundo a assessoria do MPF, não existe prazo para a decisão do promotor, que vai apurar verificar se houve prejuízo a pessoas ou grupos.

"É um procedimento normal para saber se é necessário tomar alguma medida", informou uma assessora.

O anúncio de uma possível reserva de 33 bilhões de barris de óleo equivalente (petróleo e gás natural) feito por Lima na segunda-feira, e não confirmado pela Petrobras (PETR4.SA: Cotações), também foi criticado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que pediu explicações à Petrobras.

Em comunicado, a estatal negou a conclusão dos estudos na área conhecida como Carioca, na bacia de Santos, próxima ao campo de Tupi, onde havia anunciado uma megareserva de petróleo e gás no ano passado, com volume estimado entre 5 e 8 bilhões de barris de boe.

Mesmo após esclarecimentos da estatal, a CVM afirmou em um comunicado na noite de segunda que "vai analisar mais detidamente se haverá outras providências a adotar".   Continuação...