Setor rural argentino manterá protesto ao menos até 4a-feira

quinta-feira, 15 de maio de 2008 19:36 BRT
 

BUENOS AIRES (Reuters) - Os produtores agropecuários argentinos, que realizam protesto contra a elevação de impostos de exportação de grãos, continuarão com a paralisação, ao menos até quarta-feira, disse uma autoridade de uma das quatro entidades que enfrentam o governo da presidente Cristina Fernández de Kirchner.

As quatro entidades rurais se reuniram na quinta-feira para definir o futuro dos protestos, retomados há uma semana e que poderiam afetar as exportações de um dos maiores fornecedores de alimentos do mundo.

"A comissão de negociações acertou que continuaremos com o protesto por uma nova política agropecuária e um país federal, e com as restrições das vendas de grãos para a exportação", disse Mario Llambías, presidente de uma das quatro entidades que enfrentam o governo.

As entidades afirmaram que a greve se manterá pelos menos até quarta-feira.

O anúncio foi feito um dia depois de a presidente argentina mostrar uma atitude conciliadora.

Mas produtores avaliaram que não há propostas concretas do governo para as reivindicações do setor agrícola serem atendidas.

"Estamos reunidos e vamos redigir uma carta para a presidente pedindo soluções", disse uma fonte envolvida com as negociações.

Um protesto semelhante das quatro entidades rurais resultou em desabastecimento e problemas para as exportações do país em março.

O mercado teme que o protesto possa se agravar, trazendo de volta as dificuldades verificadas durante a primeira manifestação.

(Por Nicolás Misculin)