Carvão se destaca em leilão de energia e reduz preços

terça-feira, 16 de outubro de 2007 18:36 BRST
 

Por Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) - O quinto leilão de energia nova (A-5), destinado ao suprimento no Brasil a partir de 1o de janeiro de 2012, negociou nesta terça-feira um total de 398 milhões de megawatts/hora, ou 2.312 megawatts médios, volume equivalente a 110 por cento da demanda prevista pelas distribuidoras para 2012.

A operação foi considerada bem-sucedida pelo governo, devido à elevada competição dos investidores, o que permitiu a venda de energia térmica, especialmente a carvão, a preços mais baixos do que o esperado, disseram autoridades.

Foram negociados 209,9 milhões de megawatts/hora de energia térmica (ou 1.597 megawatts médios) e 188 milhões de megawatts/hora (ou 715 megawatts médios) de energia hídrica. A contratação superou a demanda, de 2.110 megawatts médios, porque a oferta de uma usina nova vendedora não pode ser dividida, de acordo com as regras do leilão.

O preço médio da energia térmica no leilão, realizado em lances decrescentes, ficou em 128,37 reais por MWh, com deságio de 8,9 por cento em relação ao valor inicial, de 141 reais.

Já o preço médio da energia hídrica ficou acima do valor teto devido à inclusão da taxa UBP (Uso do Bem Público), uma vez que algumas hidrelétricas sofreram impacto da tarifa em seu preço de venda.

O valor inicial da energia hídrica era de 126 reais por megawatt/hora, mas no encerramento do leilão ficou em 129,14 reais.

A UBP é uma taxa paga ao Tesouro, criada no modelo anterior do setor elétrico, e deixará de ser cobrada no futuro. Segundo a EPE (Empresa de Pesquisa Energética), excluída a taxa, o valor seria de 124 reais por MWh para a energia hídrica.

Os projetos novos, como as hidrelétricas do rio Madeira, já não pagarão a UBP.   Continuação...