Juiz manda usuárias de A320 instalarem softwares para manetes

terça-feira, 16 de outubro de 2007 23:25 BRST
 

SÃO PAULO, 16 de outubro (Reuters) - O desembargador federal Roberto Haddad deu, na noite desta terça-feira, 30 dias para que as empresas que operam com aviões Airbus A320 em Congonhas instalem um software que impede que os manetes do avião fiquem fora da posição correta durante o pouso.

"A medida é um complemento às demais normas de segurança exigidas para o pouso e decolagens em Congonhas, tendo em conta que a falta de tal equipamento vem sendo apontada como uma das falhas que possibilitaram o acontecimento com o vôo 3054", disse.

Haddad se referia à tragédia com um A320 da TAM em 17 de julho. Na ocasião, 199 pessoas morreram quando a aeronave colidiu contra prédios próximos a Congonhas depois de tentar pousar na pista principal do aeroporto.

Em resposta ao embargo declaratório movido pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e pela Infraero contra uma decisão que impôs restrições às operações em Congonhas, o desembargador também decidiu revogar o limite de 130 passageiros para os aviões que operam no aeroporto paulistano.

Haddad, que também foi o autor da decisão que gerou o embargo, disse que decidiu revogar essa restrição após ser informado pela Anac que o peso das aeronaves obedece a variáveis que não se limitam ao número de passageiros a bordo.

Ainda de acordo com a decisão, a agência reguladora lhe apresentou tabelas que seriam usadas internacionalmente, as quais ele anexou à sua decisão determinando que sejam obedecidas.

"Deixo claro que nenhum equipamento que prejudique a performance da aeronave, para o pouso ou decolagem poderá estar inoperante ou operando apenas parcialmente", acrescentou Haddad em sua decisão.

Assim, fica mantida a determinação anterior que proíbe a operação de aviões com reverso travado em Congonhas.

O A320 da TAM, acidentado em 17 de julho e protagonista da pior tragédia da história da aviação brasileira, tinha um dos reversos da turbina travado.

Além disso, dados preliminares das caixas-pretas da aeronave indicaram que um possível mal posicionamento dos manetes do avião podem ter contribuído para o acidente.