Quebra do monopólio do resseguro atrai gigantes do setor ao país

quarta-feira, 16 de abril de 2008 19:23 BRT
 

Por Aluísio Alves e Rodrigo Viga Gaier

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) - O monopólio estatal no mercado de resseguros do Brasil será finalmente extinto a partir de quinta-feira, segundo a Superintendência de Seguros Privados (Susep), e grandes companhias do setor já se preparam para atuar no país.

Inicialmente, o Instituto de Resseguros do Brasil (IRB), que até agora dominava sozinho o segmento desde sua criação em 1939, terá a competição do Lloyds como seguradora admitida e da Munich Re como resseguradora eventual --que se diferem, entre outras coisas, por ter ou não escritório de representação no país.

Outras quatro seguradoras obtiveram autorização prévia e já protocolaram a documentação exigida para operar no mercado brasileiro: Scor Re, Swiss Re, Swiss Re America e Transatlantic Re. Além disso, a Susep analisa os pedidos de J.Malucelli, Munich Re, XL Re, para atuar como resseguradoras locais, e da Mapfre Re, que pretende ser uma resseguradora eventual.

Adicionalmente, a Mapfre Re (como operadora local), Partner Re, Hannover Re e Federal Insurance Company (como resseguradoras admitidas) manifestaram interesse em atuar no Brasil.

Armando Vergílio, superintendente-geral da Susep, disse que o número de resseguradoras interessadas em operar no Brasil superou as expectativas, mas poderia ser ainda maior não fosse a crise global.

"Temos um cenário que comprova o alto grau de interesse no Brasil. Não é qualquer empresa que está vindo para cá, são grandes companhias. O Brasil é o único grande balcão do mundo disponível. Somente Cuba e Costa Rica têm o mercado fechado."

Ele considerou que o atraso na entrega da documentação também impediu o registro imediato de um maior número de companhias.

EXPECTATIVAS   Continuação...