CÂMBIO-Crise em Wall St aflige mercado e sustenta dólar em alta

terça-feira, 16 de setembro de 2008 11:58 BRT
 

SÃO PAULO, 16 de setembro (Reuters) - A crise internacional impulsionava o dólar nesta terça-feira, em uma sessão ainda com poucas operações e intenso nervosismo sobre o futuro do setor financeiro dos Estados Unidos.

Em meio à tensão, analistas dizem que o mercado deixa de lado os fundamentos brasileiros e passa a reagir principalmente às notícias estrangeiras. "Esse é um dos momentos em que os fundamentos têm um papel menor na avaliação de preços dos ativos", comentaram economistas do BNP Paribas em relatório.

Às 11h55, a divisa norte-americana BRBY era cotada a 1,832 real, com alta de 1,1 por cento. Na máxima do dia, o dólar alcançou 1,853 real, maior cotação desde novembro.

"É um dia de estresse. Estamos a reboque" do mercado externo, disse Roberto Padovani, estrategista sênior de investimentos para a América Latina do banco WestLB Brasil.

A alta do dólar em relação ao real era justificada pela saída de investidores do país diante dos problemas em algumas das maiores instituições de Wall Street.

"Estamos de novo no olho de um furacão", disse um gerente de câmbio da corretora Concórdia, que preferiu não ser identificado.

Entre os casos mais alarmantes, o banco de investimento Lehman Brothers LEH.N pediu proteção contra falência no fim de semana, e a seguradora AIG (AIG.N: Cotações) via suas ações despencarem cerca de 50 por cento nesta terça-feira com o medo de mais um colapso.

No final da manhã, a CNBC noticiou que as conversas sobre a seguradora agora envolvem dinheiro público --o que dava um alívio às bolsas norte-americanas.

O operador de outra corretora nacional, que falou em condição de anonimato, disse que o volume do mercado ainda estava abaixo da média nas primeiras horas de sessão. A explicação para o mesmo comportamento da véspera é a cautela dos investidores à espera de definições em Wall Street.   Continuação...