Alta do dólar deve afetar inflação nos próximos meses, diz FGV

quinta-feira, 16 de outubro de 2008 14:46 BRT
 

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO, 16 de outubro (Reuters) - A alta do dólar provocada pela turbulência financeira mundial já começa a impactar a inflação e, segundo avaliação da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o efeito sobre os preços deve se espalhar nos próximos dois meses.

A aceleração do IGP-10 de outubro para 0,78 por cento, ante queda de 0,42 por cento em setembro, teve o câmbio como um dos elementos de pressão, embora o efeito ainda tenha sido secundário. [nN16315842]

Segundo a FGV, em outubro as matérias-primas brutas foram as principais responsáveis pela aceleração dos preços e a alta ficou concentrada em três produtos: soja, tomate e mandioca.

"Sessenta por cento da aceleração veio desses três produtos, sendo que tomate e mandioca têm problemas de oferta e a soja é uma combinção do mercado internacional e efeito do câmbio", disse a jornalistas o economista da FGV Salomão Quadros.

O impacto da alta do dólar também foi observado em insumos industriais como amônia, celulose, borracha, minério de ferro, níquel, querosene de aviação e nafta.

"Todos são itens mais sensíveis ao dólar, mas na agricultura a transmissão do câmbio ainda é pequena", acrescentou Quadros. "O efeito do dólar ainda é secundário, mas acho que ao longo de dois meses o câmbio pode ganhar terreno nos IGPs."

Para o economista, a moeda norte-americana não deve manter a tendência de valorização verificada nas últimas semanas, graças às atuações do Banco Central e à possibilidade de continuidade do aperto monetário.

"Acho que, se esse cenário de recuo do câmbio se concretizar, o que vai chegar ao consumidor é muito pouco. O varejista não gosta de repassar automaticamente os impactos de custos imediatos", ponderou.   Continuação...