Número 2 da PF é preso em operação que investiga empresa de Eike

terça-feira, 16 de setembro de 2008 15:24 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O diretor-executivo da Polícia Federal, Romero Menezes, foi preso em seu gabinete nesta terça-feira, informou a assessoria de imprensa do órgão. A prisão de Menezes, segundo homem na hierarquia da PF, é um desdobramento da Operação Toque de Midas, que investiga supostas irregularidades cometidas pela empresa EBX, do empresário Eike Batista.

Junto com Menezes foram presas outras duas pessoas no Amapá, origem da investigação. A PF encontrou indícios de corrupção passiva, tráfico de influência e advocacia administrativa (patrocínio de interesses privados junto à administração pública). A assessoria de imprensa do órgão não especificou quais acusações pesam sobre Menezes.

"Segundo apurações, os dois investigados, ligados ao grupo (EBX), buscavam facilidades junto à Polícia Federal para proveito das empresas", informou a PF em nota.

A operação Toque de Midas foi inicialmente deflagrada em julho após a Polícia Federal encontrar indícios de fraude na licitação de uma estrada de ferro no Amapá.

Na ocasião, foi realizada uma operação de busca e apreensão na casa e em alguns escritórios do empresário, mas nenhuma prisão foi realizada. Também nessa época, a MMX, uma das companhias do grupo de Eike, negou a existência de irregularidades.

(Reportagem de Eduardo Simões)