Popularidade de presidente do Equador cai perto de baixa recorde

quarta-feira, 16 de janeiro de 2008 19:51 BRST
 

Por Alonso Soto

QUITO (Reuters) - A percepção de que o estilo de governo do presidente equatoriano Rafael Correa é muito agressivo derrubou sua popularidade para perto da mínima recorde, em um sinal de que ele pode precisar de um consenso mais amplo para pressionar por sua agenda de esquerda.

Uma pesquisa Cedatos-Gallup divulgada nesta quarta-feira mostrou que a popularidade de Correa recuou 15 pontos percentuais em dois meses, para 57 por cento em janeiro. Em agosto, a popularidade do presidente atingiu o menor nível, 56 por cento, após as altas taxas do começo de seu mandato.

O economista, que estudou nos Estados Unidos e assumiu o cargo há um ano, enfrentou várias vezes a mídia e influentes prefeitos da região costeira sobre o crescente controle do governo sobre a economia, na medida em que Correa diz querer melhorar a distribuição de renda na população.

Na quarta-feira, a principal autoridade da Marinha renunciou depois de uma controvérsia sobre reportagens da imprensa, que falavam do descontentamento entre os militares devido à influência do governo nas promoções.

A queda da aprovação pode tornar mais amena a política esquerdista em um país onde três presidentes caíram em meio à insatisfação popular em pouco mais de uma década.

"Isso vai pressioná-lo para ser mais cuidadoso com suas futuras reformas", disse Felipe Burbano, do ramo equatoriano da Latin American Faculty of Social Sciences. "Correa é viciado em pesquisas e quer manter alta sua popularidade como base de seu capital político."