17 de Julho de 2008 / às 11:16 / 9 anos atrás

RPT-Greve de petroleiros segue após reunião com PETROBRAS

(Repete texto publicado na noite de 4a-feira)

RIO DE JANEIRO, 17 de julho (Reuters) - Após mais de quatro horas de reunião, a Petrobras (PETR4.SA) não apresentou nova oferta aos petroleiros sobre “Dia do Desembarque” e o impasse entre a estatal a categoria continua.

Os petroleiros reivindicam que o Dia do Desembarque dos empregados da Petrobras das plataformas seja considerado um dia de trabalho, e não de folga, como é hoje.

Mais tarde, em nota à imprensa, a Petrobras informou que apresentou na reunião “uma contraproposta que atende à reinvindicação do intervalo mínimo entre as jornadas de trabalho e outras quatro demandas dos trabalhadores”, ainda a ser submetida à assembléia da categoria.

Atualmente, os petroleiros ficam 14 dias embarcados e 21 de folga. De acordo com o coordenador do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense, José Maria Rangel, a estatal não evoluiu na discussão do Dia do Desembarque, mas apresentou uma proposta para o pagamento de horas-extras retroativo a janeiro de 2007.

Segundo Rangel, os petroleiros embarcados têm direito a 11 horas de descanso, mas nem sempre isso é respeitado. Apesar de considerar a oferta da Petrobras um avanço, já que antes a estatal não admitia a retroatividade, não é suficiente para um acordo.

“Não tem acordo. O impasse continua”, disse Rangel à Reuters. A estatal não tinha informações imediatamente sobre o assunto.

A greve na Bacia de Campos, responsável por 80 por cento do petróleo nacional, começou na segunda-feira e chegou a reduzir a produção da estatal em 136 mil barris nesse dia.

A Petrobras, no entanto, instalou um plano de contingência nas plataformas e normalizou a produção entre a noite de segunda-feira e a manhã de terça-feira.

O movimento dos petroleiros do norte fluminense foi iniciado antes da decisão da Federação Única dos Petroleiros (FUP) de realizar uma greve de 48 horas a partir de quinta-feira.

Sobre a possibilidade de paralisação, a Petrobras afirmou que “acionou o Plano de Contingência para manter o controle e o funcionamento de suas unidades, assegurando pleno abastecimento do mercado”.

Além de apoiar a luta dos petroleiros da Bacia de Campos, a FUP reivindica maior participação nos lucros da Petrobras.

Na próxima semana, todos os petroleiros vão votar a respeito da realização de uma greve nacional de cinco dias, com parada de produção a partir de 5 de agosto.

Reportagem de Denise Luna; Edição de Maurício Savarese

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below