18 de Setembro de 2008 / às 00:00 / 9 anos atrás

PSDB e DEM atuam para apaziguar ânimos e garantir 2o turno em SP

Por Carmen Munari

SÃO PAULO (Reuters) - Depois da subida de tom do candidato Geraldo Alckmin (PSDB) contra o prefeito-candidato Gilberto Kassab (DEM), as direções das duas legendas trabalham para que a nova postura seja superada, garantindo aliança no segundo turno em São Paulo para enfrentar a petista Marta Suplicy.

O presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), e o presidente de honra do DEM, ex-senador Jorge Bornhausen (SC), mencionaram a possibilidade de superação de “erros” e “animosidades” entre as duas legendas historicamente aliadas.

“Vai haver compreensão e erros serão consertados. Erros táticos às vezes são cometidos, têm peso no processo, mas vejo superação”, disse Bornhausen à Reuters nesta quarta-feira.

“O erro no nascedouro é pior do que os de agora”, completou Bornhausen, referindo-se à cisão entre as duas legendas na campanha paulistana.

No começo da semana, Alckmin passou ao confronto direto com Kassab ao afirmar que o programa de governo do PSDB foi interrompido e que a propaganda do prefeito mente nos números. Nesta tarde, disse que “São Paulo está parada” e que “transporte não foi prioridade no governo (de Kassab)”.

Segundo Guerra, “divergência política pode ter, mas tem que haver limites em partidos que não são antagônicos, são confluentes”.

O senador afirma que tem dialogado sobre o rumo eleitoral em São Paulo com o coordenador da campanha, deputado Edson Aparecido (SP). “Tenho conversado com o Edson, que é vice do partido. Não posso dar uma opinião clara, mas todos nós desejamos que a relação seja positiva. Trabalhamos para ser assim”, afirmou.

O esforço para apaziguar ânimos inclui conversas entre as duas legendas. “Acho que o processo tem que ser moderado, mas tem grandes chances no segundo turno”, afirmou.

Nesta tarde, em carreata na zona sul de São Paulo, Alckmin não admitiu o confronto com o prefeito, preferindo afirmar que se trata de comparação. “Não existe mudança de tom. Não existe ataque pessoal nenhum, mas é dever do candidato fazer o contraponto, mostrar as diferenças.”

Perguntado sobre se um PSDB unido o ajudaria em sua acirrada disputa com Kassab, Alckmin, que teve de interromper sua carreata para empurrar o carro no qual estava, respondeu: “Nós vamos ter um jipe que tenha um carburador melhor”.

As críticas acontecem após a reviravolta nas pesquisas de intenção de votos, que não deixam claro quem irá ao segundo turno contra Marta.

Alckmin perdeu 11 pontos desde o início de julho e está com 20 por cento, pelo Datafolha. Em sentido inverso, Kassab tinha 13 e chegou a 21 por cento. Com a margem de erro, os dois estão em empate técnico. Marta, com 37 por cento, mantém a liderança.

Reportagem adicional de Maurício Savarese

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below