JURO-Projeções mais curtas sobem e longas caem após Copom

quinta-feira, 17 de abril de 2008 16:25 BRT
 

Por Vanessa Stelzer

SÃO PAULO, 17 de abril (Reuters) - O mercado futuro de juros reagiu nesta quinta-feira como o esperado à decisão do Comitê de Política Monetária (Copom): os contratos de curto prazo subiram e os mais longos recuaram. Isso porque, ao elevar a Selic de forma mais agressiva, o Banco Central sugeriu um ciclo menor de aperto monetário.

O Depósito Interfinanceiro (DI) julho de 2008 foi o mais procurado, com mais de 915 mil contratos negociados, e subiu de 11,66 para 11,82 por cento. O DI janeiro de 2009 avançou de 12,53 para 12,64 por cento.

Todos os contratos a partir de outubro de 2009 recuaram. O DI janeiro de 2010 caiu de 13,35 para 13,34 por cento.

"O modo como o Copom escolheu iniciar seu processo de ajuste da política monetária limita taxas maiores aos negócios com vencimento no curto prazo", disse Vladimir Caramaschi, economista-chefe da Fator Corretora.

Segundo o consultor de uma corretora que preferiu não se identificar, a curva de juros precificava um ciclo de aperto monetário de dois pontos porcentuais, além da alta de quarta-feira.

Na véspera, o Copom elevou a Selic em 0,50 ponto percentual, para 11,75 por cento. A maioria dos economistas projetava aumento de 0,25 ponto e no mercado futuro as apostas estavam divididas.

No comunicado pós-reunião, o Copom disse que o aumento maior ajudava a reduzir a "magnitude do ajuste total a ser implementado".

"Vai ser um aperto mais curto e é isso que o mercado (futuro) vai mostrar", disse Silvio Campos Neto, economista-chefe do Banco Schahin.   Continuação...