Para FMI, fluxo de capital é desafio para América Latina

quarta-feira, 17 de outubro de 2007 14:58 BRST
 

Por Adriana Garcia

WASHINGTON (Reuters) - Os governos latino-americanos precisam ficar atentos com o aumento do fluxo de capital estrangeiro para evitar o superaquecimento de suas economias, afirmou o Fundo Monetário Internacional (FMI) nesta quarta-feira.

Apesar da preocupação, o FMI estima que o crescimento da região desacelere para 5 por cento em 2007 e para 4,3 por cento em 2008, abaixo da previsão feita no ano passado.

De acordo com o órgão, o Brasil deve crescer 4,4 por cento neste ano, contra 3,7 por cento em 2006. Em 2008, porém, o crescimento do país deve encolher para 4 por cento.

"O crescimento está ganhando força no Brasil em 2007, em resposta ao afrouxamento monetário..., mas também deve desacelerar em 2008", disse o organismo.

Em seu relatório semestral sobre as perspectivas econômicas mundiais, o FMI prevê que a América Latina vai continuar a atrair capital estrangeiro, mas alerta que os países devem estar preparados para a possibilidade de "volatilidade crescente" nos mercados financeiros.

"O aumento do fluxo positivo de capitais no primeiro semestre de 2007 impulsionou o preço dos ativos locais e o crescimento do crédito, e medidas adicionais podem ser necessárias para conter o crescimento da demanda doméstica em uma série de países em resposta às preocupações de superaquecimento", afirmou o relatório.

Fortes demanda externa e preços de commodities impulsionaram os ganhos com exportação da América Latina no último ano. Aproveitando a melhora da performance fiscal, os governos pagaram parte da dívida externa.

Mas essas tendências mudaram, disse o FMI. "Os superávits em conta corrente estão moderando em 2007, à medida que a forte demanda doméstica impulsiona o crescimento das importações."   Continuação...