Lula volta a descartar novo imposto no lugar da CPMF

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007 12:26 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta segunda-feira que a não prorrogação da CPMF pelo Senado foi uma decisão democrática e voltou a negar que o governo tentará a criação de novo tributo como forma de compensar a falta do chamado "imposto do cheque".

"Acabou o mundo? Não. Vamos ter que pensar, vamos ter que refletir, vamos ter que ver como vamos arrecadar uma parte desses recursos, porque nós não podemos ser irresponsáveis com a saúde brasileira, em função dos votos de alguns senadores", disse Lula no programa semanal de rádio "Café com o Presidente".

As medidas devem ser anunciadas ainda esta semana, após conversa do presidente Lula com o ministro da Fazenda, Guido Mantega. A conversa deve acontecer nos primeiros dias desta semana.

"Não há nenhum motivo para qualquer precipitação, não há nenhum motivo para anunciar medidas de forma extemporânea, para anunciar novos impostos. Vamos sentar e vamos ver qual foi o estrago, e o que fazer para colocar no lugar", afirmou Lula.

Durante o final de semana, Mantega levantou a possibilidade de criação de um novo imposto com arrecadação voltada exclusivamente para a saúde. Chegou a informar que o tributo teria alíquota de 0,20 por cento, abaixo do 0,38 por cento da CPMF, que rende estimados 40 bilhões de reais por ano. No domingo, Lula o desautorizou pela primeira vez.

"Eu preciso discutir com o ministro da Fazenda, discutir com o ministro do Planejamento, para que a gente possa tomar as atitudes mais maduras possíveis, mais conscientes, sem nenhum atropelo", afirmou, garantindo que as políticas sociais e os investimos no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) não sofrerão cortes.

"Nós vamos tomar todas as medidas para que a gente não mexa no PAC, para que a gente não mexa nas políticas sociais."

Segundo o presidente, se a economia continuar crescendo, o governo terá como arrecadar mais recursos.

(Por Carmen Munari e Vanessa Stelzer)

 
<p>O presidente Luis In&aacute;cio Lula da Silva (esq) passa pela guarda de honra em La Paz. Lula disse nesta segunda-feira que a n&atilde;o prorroga&ccedil;&atilde;o da CPMF foi uma decis&atilde;o democr&aacute;tica e voltou a negar que o governo tentar&aacute; a cria&ccedil;&atilde;o de novo tributo como forma de compensar a falta do chamado 'imposto do cheque'. Photo by Mariana Bazo</p>