Cenário de inflação piora; o que o Fed pode fazer?

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007 16:02 BRST
 

Por Ros Krasny

CHICAGO, Estados Unidos (Reuters) - O aumento da inflação complicou a situação para o Federal Reserve, que tenta evitar uma possível recessão nos Estados Unidos ao mesmo tempo em que lidera o esforço para juntar os pedaços do mercado monetário global.

Muitos analistas temem que o Fed não tenha escolha a não ser continuar com a estabilização dos mercados financeiros antes de voltar para o primeiro objetivo dos bancos centrais, o combate à inflação, mesmo que os preços fiquem mais descontrolados nesse intervalo.

"Os responsáveis pela política monetária estão fazendo o melhor para tirar o sistema financeiro da UTI. A inflação não é a prioridade imediata deles", disse Stephen Cecchetti, professor da Brandels International Business School, em Waltham, Massachusetts.

Na quarta-feira, o Fed, junto com outros bancos centrais ao redor do mundo, definiu uma série de medidas para facilitar o acesso a dinheiro por bancos com problemas.

No mínimo, a alta da inflação "aumenta a chance de que o banco central insista em soluções alheias à política de juros para aumentar a liquidez do mercado monetário em dificuldades", disse Ashraf Laidi, analista-chefe de câmbio da CMC Markets US, em Nova York.

O índice de preços ao consumidor em novembro, que foi divulgado na sexta-feira e mostrou um salto inesperado tanto no resultado cheio quanto no núcleo dos preços, certamente sepultou potenciais cortes nos juros.

A inflação ao consumidor nos Estados Unidos subiu para 4,3 por cento nos 12 meses até novembro, maior nível desde junho de 2006, e o núcleo do índice --sem os voláteis preços de energia e alimentos-- avançou para 2,3 por cento no mesmo período. Isso limitou a abertura do Fed para reduzir os juros em 2008.

"A alta da inflação não é um bom agouro para um mercado apaixonado por juros baixos", disse Eugenio Aleman, economista-sênior da Wells Fargo Economics.   Continuação...