Preços elevados dos grãos favorecerão Brasil, diz Perdigão

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007 17:38 BRST
 

Por Roberto Samora

SÃO PAULO, 17 de dezembro (Reuters) - Os preços dos grãos em seus maiores patamares históricos vão viabilizar a produção em regiões com problemas logísticos, como o Centro-Oeste, e ao mesmo tempo aumentarão a competitividade de produtores de carnes do Brasil, avaliou o presidente do Conselho de Administração da Perdigão PRGA3.SA, Nildemar Secches.

As cotações dos principais grãos, como soja, milho e trigo, estão em seus maiores níveis na bolsa de Chicago, referência internacional para esses produtos.

A soja tem sido cotada nos últimos dias nos maiores patamares de preço em 34 anos na bolsa de Chicago, enquanto o trigo registrou novo recorde histórico nesta segunda-feira, rompendo a barreira dos 10 dólares por bushel. O milho atingiu o maior valor em 11 anos.

"Isso vai viabilizar toda a região Centro-Oeste para grão. Antes (dessa alta dos preços), o custo de transporte inviabilizava", disse Secches, a jornalistas.

Os agricultores do Centro-Oeste, região que já foi considerada um novo eldorado para a agricultura, foram fortemente atingidos em safras recentes pela valorização do real ante o dólar, que trouxe à tona problemas com custos elevados de armazenagem e transporte.

E, embora dominem a produção de soja no Brasil, ainda carregam elevadas dívidas adquiridas em períodos anteriores, quando sofreram com preços pouco remuneradores e aumento de custos.

Mas, segundo o dirigente da Perdigão, uma das maiores do setor de alimentos do Brasil, mantidas as projeções de utilização de matérias-primas agrícolas para a produção de biocombustíveis e a tendência de aumento no consumo de alimentos no mundo, o Centro-Oeste voltará a se beneficiar.

Segundo ele, apesar de a questão inflacionária "ser um problema mundial", decorrente em parte dos maiores custos com produtos agrícolas, o Brasil vai se beneficiar por ser mais competitivo que outras nações --ainda dispõe, por exemplo, de vastas áreas agricultáveis para ampliar a produção.   Continuação...