CONSOLIDA-Ocidente quer reformas; leste europeu é atingido

sexta-feira, 17 de outubro de 2008 10:13 BRT
 

Por Elizabeth Piper

LONDRES, 17 de outubro (Reuters) - Líderes mundiais endureceram algumas regras bancárias nesta sexta-feira para proteger suas economias da crise, antes de um encontro entre os presidentes da França e dos Estados Unidos, que autoridades disseram irá tratar de caminhos para reformar o sistema financeiro mundial.

A pior crise financeira em 80 anos está empurrando os países do Ocidente para uma recessão, afetou as economias do leste europeu --que estão tendo que pedir dinheiro emprestado--, enquanto países asiáticos lutam para encontrar suas próprias soluções.

A Ucrânia informou que o Fundo Monetário Internacional (FMI) está preparado para conceder um empréstimo de 14 bilhões de dólares, enquanto a Hungria cortou sua estimativa de crescimento, depois de ter tomado 5 bilhões de euros com o Banco Central Europeu (BCE) para manter o fluxo de moeda no sistema bancário local.

Para evitar qualquer repetição da crise, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, disse que irá colocar em discussão com Bush as chances de realizar uma reunião global para tratar de uma nova regulamentação para o sistema financeiro. O encontro dos dois presidentes está previsto para sábado.

A Ucrânia, assim como Sérvia e Hungria, buscou a ajuda do FMI para tentar eliminar os temores sobre a possibilidade de governo e bancos não conseguirem refinanciar sua dívida.

A Islândia, que chegou bem próximo do que poderia ser considerado como a "falência" do país, vai decidir dentro de uma semana se irá pedir socorro ao Fundo.

Na Ásia, governos estão estudando diversas maneiras de garantir sustentação para as instituições financeiras e combater a desaceleração econômica.

Na Coréia do Sul, autoridades se comprometeram a tomar medidas para estabilizar os mercados. De acordo com a imprensa local, essas medidas, que serão anunciadas no domingo, podem incluir financiamento para bancos locais que têm tido dificuldades para encontrar linhas de crédito em dólar de instituições estrangeiras.   Continuação...