Grande importador de trigo, Brasil sente aumento do preço do pão

segunda-feira, 17 de março de 2008 16:36 BRT
 

Por Roberto Samora

SÃO PAULO, 17 de março (Reuters) - O preço do pãozinho no Brasil já subiu em média cerca de 10 por cento no acumulado de 2008, e essa alta não dá sinais de se arrefecer nos próximos meses, com as padarias e moinhos repassando ao consumidor as cotações recordes da commodity no mercado internacional, disseram presidentes de associações do setor.

O Brasil, que frequentemente figura como o maior importador mundial de trigo, enfrenta ainda uma dificuldade adicional, com seu tradicional fornecedor, a Argentina, adotando política de restrições de exportações.

"Tem vários problemas: o preço internacional das commodities, devido a condições climáticas e ao aumento de consumo no mundo... O segundo problema é a nossa dependência absoluta da Argentina...", disse à Reuters o presidente da Associação Brasileira da Indústria da Panificação (Abip), Alexandre Pereira.

O país importa aproximadamente 60 por cento de seu consumo anual, de 10 milhões de toneladas, sendo a maior parte da Argentina.

"Esses fatores estão levando aos aumentos, e não há perspectiva de melhora no ano. As padarias estão repassando, já houve o repasse no Brasil em torno de 10 por cento no pãozinho (no acumulado do ano)", acrescentou Pereira.

De acordo com o dirigente da Abip, a média do preço do pão oscilava em torno de 5,5 reais por quilo e hoje está em torno de 6 reais o quilo. Mas em algumas regiões do país o produto já vale até 8 reais por quilo.

Pereira justificou a alta dizendo que, só este ano, as padarias no Brasil notaram uma elevação de preço de 30 por cento na farinha de trigo.

Enquanto o pão sobe no Brasil, na Argentina os negócios para o mercado externo estão parados, porque o governo mantém suspensas as emissões de licenças para exportação, ainda avaliando questões relacionadas à oferta interna, com o objetivo de controlar a inflação.   Continuação...