17 de Fevereiro de 2008 / às 15:36 / 10 anos atrás

Kosovo declara independência da Sérvia

<p>Declara&ccedil;&atilde;o de independ&ecirc;ncia do Kosovo, no primeiro-plano. No fundo, o primeiro-ministro do Kosovo, Hashim Thaci (direita), e o presidente do Kosovo, Fatmir Sejdiu, durante sess&atilde;o do parlamento em Pristina. Kosovo declarou sua independ&ecirc;ncia da S&eacute;rvia neste domingo. Photo by Damir Sagolj</p>

Por Shaban Buza

PRISTINA, Sérvia (Reuters) - Kosovo declarou sua independência da Sérvia neste domingo, pondo fim a um longo capítulo na sangrenta fragmentação da ex-Iugoslávia.

A declaração de independência foi feita por líderes da maioria de etnia albanesa, que forma 90 por cento da população da província separatista, incluindo ex-guerrilheiros que lutaram pela independência na guerra de 1998-99, que deixou cerca de 10 mil civis mortos.

"Nós, líderes democraticamente eleitos de nosso povo, por meio desta declaração proclamamos o Kosovo um Estado independente e soberano", diz o texto lido no Parlamento pelo primeiro-ministro de Kosovo, Hashim Thaci.

De acordo com a declaração, Kosovo será "uma sociedade que respeita a dignidade humana" e que se compromete a enfrentar "o legado doloroso do passado recente, num espírito de reconciliação e perdão".

Todos os 109 deputados presentes à sessão na capital de Kosovo, Pristina, votaram a favor da declaração. Onze deputados de minorias étnicas, incluindo sérvios, não estavam presentes.

Belgrado se opõe terminantemente à secessão. Com o apoio da Rússia, os sérvios juram que nunca vão abrir mão do território, historicamente ligado à Sérvia por 1.000 anos.

Mas o Ocidente apóia a reivindicação de um Estado próprio feita pelos 2 milhões de kosovares de etnia albanesa, nove anos depois de a Otan ter ido à guerra para salvá-los das forças sérvias.

Kosovo será o sexto Estado desde 1991 a sair da ex-federação iugoslava, dominada pela Sérvia, depois de Eslovênia, Croácia, Macedônia, Bósnia e Montenegro.

Será o 193o país independente do mundo, mas a Sérvia diz que Kosovo jamais conquistará uma vaga na Organização das Nações Unidas (ONU).

Os sérvios do norte de Kosovo vão rejeitar a independência, reforçando uma divisão étnica que vai causar problemas no novo Estado por anos ainda. Menos de 120 mil dos sérvios remanescentes em Kosovo vivem no norte, enquanto os demais estão em encraves protegidos por forças de manutenção da paz da Otan.

A expectativa é de que os Estados Unidos e a maioria dos membros da União Européia reconheçam Kosovo em pouco tempo, apesar de o novo país não ter conseguido a aprovação do Conselho de Segurança da ONU, que foi impedida pela Rússia no ano passado.

A UE vai enviar uma missão de supervisão para tomar o lugar das atuais autoridades da ONU em Kosovo.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below