Premiê chinês diz que protestos no Tibet visam boicote aos Jogos

terça-feira, 18 de março de 2008 08:17 BRT
 

PEQUIM (Reuters) - O primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, minimizou os pedidos pelo boicote aos Jogos Olímpicos após a repressão contra protestos no Tibet. Ele afirmou que as Olimpíadas não devem ser politizadas.

Wen disse que a tensão na região himalaia foi incitada com o objetivo de sabotar os Jogos, que acontecerão entre os dias 8 e 24 de agosto. Ele acrescentou que a China tem o desejo genuíno de realizar uma edição bem-sucedida dos Jogos.

"Precisamos respeitar os princípios das Olimpíadas e a Carta Olímpica. Isso é, não devemos politizar os Jogos Olímpicos", disse Wen durante entrevista coletiva na terça-feira.

"De fato, vocês, os repórteres, podem ver a essência do incidente recentemente ocorrido no Tibet. Eles querem incitar a sabotagem aos Jogos Olímpicos para obter seu terrível objetivo."

Wen acusou o líder espiritual tibetano exilado, o Dalai Lama, de orquestrar os protestos que surgiram em Lhasa antes de se espalharem para outras províncias na semana passada, deixando dezenas de mortos.

O Dalai Lama e seus simpatizantes no exílio negaram por repetidas vezes estarem por trás das manifestações.

O ator norte-americano Richard Gere, chairman da International Campaign for Tibet, disse que sua visão pessoal é de que é "irracional" participar dos Jogos em Pequim caso a China não consiga lidar de maneira pacífica com a crise no Tibet.

Mas o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Jacques Rogge, disse na segunda-feira que nenhum governo defendeu o boicote à Olimpíada devido ao Tibet.

Os Estados Unidos, que promoveram um grande boicote aos Jogos de 1980 em Moscou devido à invasão soviética ao Afeganistão, disse que não têm planos de impedir a ida de seus atletas a Pequim, segundo o comitê olímpico do país.   Continuação...