Embratel investe R$ 175 milhões em rede WiMax

terça-feira, 18 de março de 2008 19:18 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A Embratel Participações informou nesta terça-feira que lançará no final deste mês sua rede de banda larga sem fio pela tecnologia WiMax, fruto de um investimento de 175 milhões de reais.

Em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a companhia disse que tem licença para operar na frequência de 3,5 gigahertz desde um leilão promovido pela Anatel em 2003.

Além da Embratel, só dispõem de frequências para operar uma rede WiMax neste momento no Brasil as companhias Brasil Telecom e Neovia, todas adquiridas naquele leilão.

Segundo o comunicado da Embratel, a rede WiMax será implantada em 61 cidades, com a possibilidade de extensão para até 200 municípios, em um período ainda não determinado.

No final deste mês, no entanto, período que a companhia chama de primeira fase do projeto, os serviços de banda larga estarão disponíveis em 12 capitais (São Paulo, Rio, Salvador, São Luís, Brasília, Goiânia, Belém, Curitiba, Fortaleza, Belo Horizonte, Porto Alegre e Recife).

De acordo com o texto, o público alvo do serviço é compostos de pequenas e médias empresas em todo o Brasil, para as quais a companhia prestará serviço de acesso à Internet de alta velocidade.

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) chegou a promover um leilão para vender novas licenças de banda larga sem fio pelo padrão WiMax em setembro de 2006. No mesmo dia, entretanto, o leilão foi cancelado por questionamentos do Tribunal de Contas da União (TCU).

Além disso, a Anatel impediu no edital que as concessionárias de telefonia fixa participassem da disputa, mas elas obtiveram liminares na Justiça para entregar propostas e o órgão regulador ainda não conseguiu derrubá-las.

No mês passado, a Anatel deu por cancelado o leilão, que recebeu cerca de 100 propostas fechadas na época. Ainda não há previsão para que a agência promova nova licitação, o que pode ser uma vantagem competitiva da Embratel neste momento.

Procurada, a companhia ainda não retornou os pedidos de entrevista.

(Reportagem Taís Fuoco)