Inflação na China desacelera, mas governo segue atento

quinta-feira, 18 de outubro de 2007 11:08 BRST
 

PEQUIM (Reuters) - A inflação ao consumidor chinês desacelerou em setembro, mas o governo de Pequim continuará com sua política de aperto monetário para conter os preços e os investimentos, afirmou uma autoridade nesta quinta-feira.

O índice de preços ao consumidor chinês registrou alta de 6,2 por cento em setembro em relação ao mesmo período do ano passado. Em agosto, a taxa havia sido de 6,5 por cento neste tipo de comparação, o maior patamar registrado em uma década.

"Os preços devem se manter em patamar elevado por um tempo, mas a possibilidade de um aumento significativo dos preços é pequena", afirmou Zhu Zhixin, vice-presidente da Comissão de Reforma e Desenvolvimento Nacional, a principal agência de planejamento econômico da China.

O economista ponderou que as autoridades precisam manter o estado de alerta, já que o forte ritmo de crescimento econômico ainda pode levar o país a um superaquecimento.

"É muito importante interromper o avanço dos preços. Nós temos que implementar uma série de medidas, incluindo um aperto monetário e o freio no crescimento dos investimentos", afirmou Zhu.

O governo de Pequim elevou a taxa de juro cinco vezes e a alíquota dos depósitos compulsórios exigidos dos bancos oito vezes até agora neste ano para conter as expectativas inflacionárias.