BOVESPA-Dados corporativos dos EUA impõem manhã de volatilidade

sexta-feira, 18 de julho de 2008 11:34 BRT
 

SÃO PAULO, 18 de julho (Reuters) - Seguindo de perto o comportamento de Wall Street diante da divulgação de dados corporativos, a Bolsa de Valores de São Paulo operava sem tendência definida nesta sexta-feira.

Às 11h30, o Ibovespa .BVSP subia 0,76 por cento, para 60.562 pontos. O giro financeiro na bolsa era de 1,2 bilhão de reais.

Lá e cá, os índices alternavam alta e baixa, à medida que os números corporativos divulgados por cada empresa ganhavam mais peso no humor geral do mercado.

De um lado, resultados mais fracos do que o esperado do Google (GOOG.O: Cotações) e da Microsoft (MSFT.O: Cotações) pesavam sobre o setor de tecnologia. De outro, a IBM (IBM.N: Cotações) surpreendeu os analistas com números acima das projeções no segundo trimestre.

O fiel da balança era novamente o setor financeiro. O Citigroup (C.N: Cotações) reportou prejuízo de 2,5 bilhões de dólares no segundo trimestre, mas ainda agradou o mercado, que temia resultados ainda piores. Quem não agradou foi o Merrill Lynch MER.N, com prejuízo trimestral de 4,9 bilhoes de dólares.

Na Bolsa de Valores de Nova York, o índice Dow Jones .DJI caía 0,3 por cento.

"Sem indicadores econômicos para o dia, o foco do mercado são os números de empresas", disse o operador André Hanna, da Interfloat.

Por aqui, desempenhos desencontrados das ações mais negociadas também ditava um dia de gangorra na Bovespa. Bancos e Petrobras contribuíam com pontos positivos para o índice, enquanto o setor de telecomunicações e companhias aéreas enfrentavam perdas.

Na cola da alta do barril do petróleo CLc1, de novo acima dos 130 dólares, os papéis preferenciais da Petrobras (PETR4.SA: Cotações) subiam 1,16 por cento, para 38,24 reais.   Continuação...