BOVESPA-BCs e fusões aliviam pânico com crise e índice sobe

quinta-feira, 18 de setembro de 2008 11:47 BRT
 

SÃO PAULO, 18 de setembro (Reuters) - A ação coordenada de bancos centrais para dar liquidez ao sistema financeiro e as conversas de fusões entre grandes instituições financeiras amorteceram os temores do mercado com a crise de crédito, levando a Bolsa de Valores de São Paulo a forte alta nesta quinta-feira.

Às 11h43, o Ibovespa .BVSP apontava valorização de 2,5 por cento, aos 47.058 pontos. O giro financeiro do pregão alcançava 1,8 bilhão de reais.

Para profissionais do mercado, as novidades ajudaram a estancar a torrente de ordens de venda nos mercados de ações, depois do princípio de pânico causado com o colapso do Lehman Brothers e o salvamento emergencial da seguradora AIG pelo Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos.

Além disso, a tomada de controle do HBOS pelo Lloyds, além das notícias de avanço nas conversações para fusão entre o Morgan Stanley e o Wachovia, nos Estados Unidos, também amorteciam o temor de efeito dominó no sistema financeiro global.

"A situação não é um mar de rosas ainda, mas o Fed está mostrando disposição de agir para evitar o pior", disse Júnior Hydalgo, operador da corretora Cruzeiro do Sul.

Essa leitura dava espaço para avaliações mais comedidas de grandes instituições sobre as distorções causadas nos preços dos ativos pela busca desesperada do mercado por liquidez imediata.

Nesta quinta-feira foi a vez do UBS Pactual engrossar a lista dos bancos estrangeiros que consideram exagerada a desvalorização das ações negociadas na Bovespa, recomendando compra forte.

"A combinação de panorama macroeconômico sólido, sistema financeiro saudável, companhias pouco alavancadas e bom nível de gestão que deve produzir lucratividade sustentável, não justificam os atuais níveis de preços, que estão distorcidos", diz trecho do documento, em que o banco dá ênfase a papéis de empresas ligadas ao mercado doméstico.

Petrobras (PETR4.SA: Cotações), uma das empresas citadas no relatório, estava entre as líderes de ganhos do Ibovespa, com um salto de 5,37 por cento, a 31,40 reais.

Vale (VALE5.SA: Cotações), a outra blue chip da bolsa paulista, avançava 3,32 por cento, valendo 33,27 reais.

(Reportagem de Aluísio Alves; Reportagem adicional de Filipe Pacheco; Edição de Renato Andrade)