Lula quer ser "mascate" do Brasil para combater crise

quinta-feira, 18 de setembro de 2008 14:20 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva se ofereceu nesta quinta-feira para ser "mascate" dos produtos brasileiros no exterior como forma de enfrentar a crise financeira global.

Lula disse ter conversado com o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul, Paulo Tigre, sobre a necessidade das empresas brasileiras buscarem novos mercados para os seus produtos.

"Nós que produzimos máquinas e equipamentos agrícolas, como poucos países do mundo, não podemos ficar esperando apenas a Alemanha, a França ou a Suécia comprarem nossas máquinas. Temos que vender nossas máquinas em países que têm possibilidade de comprar, que estão crescendo", disse Lula a jornalistas, de acordo com imagens da Radiobrás, após a cerimônia de batismo da plataforma P-53, em Rio Grande (RS).

Lula citou a África como um mercado a ser explorado para os produtos brasileiros. "Estou à disposição de viajar pelo continente africano vendendo máquina, trator, o que tiver para vender. Eu não terei problema de ser mascate do Brasil para colocar o seu produto no mundo para enfrentar a crise financeira americana."

O presidente garantiu que a crise não chegou ao Brasil até agora, mas que o primeiro sinal visível é que os créditos internacionais começam a rarear para países e empresas.

"As pessoas transformaram alguns setores do sistema financeiro em cassino, perderam na roleta e nós não queremos que o Brasil seja vítima da jogatina de algumas pessoas que davam palpite sobre tudo no Brasil e de repente quebraram", atacou Lula.

O Brasil, disse Lula, trabalha com a possibilidade de uma recessão nos Estados Unidos, mas aposta que ela não afetará tanto o Brasil pela diversificação das relações comerciais.

"Hoje temos apenas 15 por cento do nosso fluxo com os Estados Unidos. Temos muito com a América do Sul, muito com a Ásia, muito com a África, muito com o Oriente Médio, portanto creio que (a crise) não vai afetar o Brasil como em outros momentos", avaliou Lula.

(Texto de Mair Pena Neto)