CÂMBIO-Dólar sobe ante real e devolve parte da queda recente

sexta-feira, 18 de abril de 2008 11:34 BRT
 

SÃO PAULO, 18 de abril (Reuters) - O dólar operava em alta nesta sexta-feira, recuperando na véspera de um feriado prolongado parte do terreno perdido nas últimas sessões.

Às 11h32, a moeda norte-americana BRBY era cotada a 1,668 real, em alta de 0,60 por cento. Na quinta-feira, o dólar caiu para o menor valor de fechamento desde 14 de maio de 1999.

O mercado diverge sobre as razões específicas para a alta, mas nenhum agente de mercado ouvido pela Reuters percebeu alguma operação relevante de saída de recursos até o momento.

"Aparentemente não é saída (de recursos) não. É que lá fora o dólar está muito forte, subindo 1 por cento em relação ao euro, por exemplo", disse o operador de uma corretora nacional, que preferiu não se identificar.

A alta do dólar no mercado global era determinada pelo balanço relativamente bom do Citigroup (C.N: Cotações). O real acompanhava o movimento geral da moeda norte-americana e ignorava a queda do risco Brasil e a alta de mais de 1 por cento das bolsas de valores de Nova York.

Carlos Alberto Postigo, operador de câmbio do Banco Paulista, lembrou também que o mercado costuma ficar mais cauteloso na véspera de um final de semana prolongado. Além disso, a sequência recente de queda do dólar, provocada pela entrada de recursos e pelo alto juro do Brasil, abriu espaço para ajustes de posição.

"É um momento bom para quem vendeu (dólares) anteriormente. Acaba atraindo tanto quem quer apropriar o ganho quanto importadores", avaliou.

Mas Daniel Szikszay, gerente de câmbio do banco Schahin, disse que dificilmente os ajustes teriam força para essa alta, que na máxima do dia chegou a quase 1 por cento.

"Tem que acompanhar o dia para ver (o motivo). Por enquanto não dá para falar", ponderou.

Vladimir Caramaschi, economista-chefe da Fator Corretora, atribuiu o avanço do dólar à possibilidade de que o governo volte a adotar medidas tributárias para tentar conter a valorização do real. Apesar de ações do tipo terem sido tomadas em março, o dólar tem baixa de cerca de 5 por cento em abril.

(Por Silvio Cascione; Edição de Cláudia Pires)