Comgás e PETROBRAS fecham novo acordo para gás em São Paulo

terça-feira, 18 de dezembro de 2007 10:48 BRST
 

Por Roberto Samora

SÃO PAULO, 18 de dezembro (Reuters) - A Comgás, maior distribuidora de gás natural do Brasil, e a Petrobras anunciaram nesta terça-feira novos contratos para a comercialização do combustível, que englobam aumento do volume total, mas também a possibilidade de interrupções no fornecimento.

Os novos contratos incluem volume de 14,7 milhões de metros cúbicos diários de gás. No mês passado, a Comgás (CGAS5.SA: Cotações) havia informado que o consumo em São Paulo estava girando entre 12 e 14 milhões de metros cúbicos diários, antes de ser afetado pelas restrições no fornecimento.

No final de outubro a Petrobras (PETR4.SA: Cotações) reduziu os volumes enviados extra-contrato para distribuidoras no Rio e em São Paulo, porque precisou enviar gás para termelétricas devido ao baixo nível dos reservatórios. Alguns dias depois o abastecimento foi normalizado.

Pelo novo acordo, foi mantido um contrato de gás boliviano de 8,75 milhões de metros cúbicos diários.

Foi renovado um contrato firme de gás brasileiro com aumento de 3 para 3,5 milhões de metros cúbicos.

Foi assinado o chamado "contrato firme flexível", de 1 milhão de metros cúbicos diários, que permite que a Petrobras interrompa o fornecimento e arque com os custos da substituição do gás por outro combustível, possivelmente o óleo.

E foi também fechado um quarto contrato, chamado interruptível, com 1,5 milhão de metros cúbicos, que também pode ter o fornecimento suspenso, mas sem a possibilidade de pagamento pela Petrobras pelo custo financeiro maior da eventual substituição desse gás por outro combustível.

"Com a formalização desse acordo, a Petrobras e a Comgás aliam-se e habilitam-se a responder de forma estruturada às adverdsidades impostas pelo cenário atual", informou comunicado sobre os novos contratos.   Continuação...