BCs injetam recursos para combater falta de crédito do mercado

quinta-feira, 18 de setembro de 2008 10:01 BRT
 

Por Krista Hughes e Yoko Nishikawa

FRANKFURT/TÓQUIO (Reuters) - Os principais bancos centrais do mundo uniram forças nesta quinta-feira para injetar bilhões de dólares nos mercados globais em um esforço dramático para estimular os empréstimos interbancários, congelados pela crise de Wall Street.

Em um movimento surpresa, o Fed colocou mais 180 bilhões de dólares à disposição dos bancos centrais ao redor do mundo para que eles possam emprestar recursos para os bancos comerciais locais, uma tentativa de aumentar a liquidez dos mercados.

Os bancos centrais, incluindo o Banco da Inglaterra e o Banco Central Europeu (BCE), também emprestaram capital extra em suas moedas locais, à medida que os mercados oscilavam observando uma rodada de fusões e aquisições entre as instituições financeiras e renovavam as preocupações sobre como a economia dos Estados Unidos vai lidar com a crise.

Mercados de moeda em bom funcionamento, onde bancos emprestam capital de curto prazo uns aos outros para acertar as variações diárias de seus balanços, são cruciais para a operação adequada do sistema financeiro e da economia de um modo geral.

Os bancos ao redor do mundo têm respondido à restrição de crédito, estimulados pela migração de investidores para ativos seguros, como ouro e títulos públicos, através da injeção de capital nos mercados e de garantias verbais. Entretanto, o sucesso dessa estratégia tem sido limitado até agora

Analistas disseram que o capital extra acalmou o mercado, mas isso deve ser temporário.

Os bancos centrais do Japão e do Canadá também integraram a ação global, que funcionará até o fim de janeiro do ano que vem, e concordaram com as novas linhas de swap de dólar com o Fed, apesar de não terem anunciado planos imediatos para utilizá-las.

"Essas medidas, juntas com outras ações tomadas nos últimos dias individualmente por bancos centrais, foram planejadas para melhorar as condições de liquidez no mercado financeiro global", declararam os bancos centrais em um comunicado conjunto.

"Os bancos centrais continuam a trabalhar juntos e vão dar os passos apropriados para lidar com as novas pressões."

(Reportagem adicional de Vidya Ranganathan e Kevin Yao em Cingapura e David Milliken em Frankfurt)