Colômbia lança ofensiva diplomática contra as Farc na Europa

sábado, 19 de janeiro de 2008 14:32 BRST
 

BOGOTÁ (Reuters) - O presidente colombiano Alvaro Uribe inicia no sábado uma viagem pela Europa para insistir na necessidade de que as guerrilhas continuem classificadas como "terroristas", uma semana depois que o presidente venezuelano Hugo Chávez fez apelo em sentido contrário.

Fontes do governo colombiano disseram que a ofensiva complementará a iniciada pelo próprio Uribe esta semana, na Guatemala e Costa Rica, onde afirmou que as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) são terroristas porque sequestram, assassinam, usam bombas, recrutam crianças e traficam drogas.

O vice-presidente da Colômbia, Francisco Santos, também participou na sexta-feira de um debate em Londres, onde afirmou que as Farc são terroristas, colocando-as no mesmo nível da Al Qaeda e considerando-as como a maior ameaça para o hemisfério.

Uribe começa sua agenda segunda-feira em Paris, onde se reunirá com o presidente da França, Nicolas Sarkozy, que pressiona por um acordo humanitário entre a Colômbia e as Farc para obter a libertação de 44 reféns, entre eles a ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt.

O presidente colombiano viaja na terça-feira para Bruxelas, sede do Parlamento Europeu para se reunir com os líderes do bloco, que mantêm as Farc e o Exército de Libertação Nacional (ELN) em sua lista de organizações terroristas.

Na quarta-feira, Uribe irá a Madri, onde encontrará o primeiro-ministro José Luis Zapatero, que mantém uma luta similar contra o grupo separatista ETA.

Uribe retornará à Colômbia na sexta-feira para encontrar a secretária de Estado norte-americana, Condoleezza Rice, que visitará o país junto a legisladores como estratégia para obter a aprovação de um tratado de livre comércio.

(Reportagem de Luis Jaime Acosta)