Fidel deixa o poder e abre caminho para transição em Cuba

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008 12:49 BRT
 

Por Esteban Israel

HAVANA (Reuters) - O veterano líder Fidel Castro anunciou na terça-feira que deixa a Presidência de Cuba devido à sua frágil saúde, despedindo-se do poder depois de quase meio século como lenda viva da esquerda mundial e um dos últimos ícones da Guerra Fria.

Fidel, de 81 anos, disse em texto publicado no jornal oficial Granma que ainda não se recuperou da enfermidade não revelada que o obrigou a transferir o poder, há um ano e meio, a seu irmão Raúl. Assim, o líder cubano abriu mão da reeleição em 24 de fevereiro como chefe de Estado.

Na mensagem publicada na terça-feira, Fidel renuncia não só à Presidência como também ao cargo não-eletivo de "Comandante en Jefe", que ostenta desde seus dias de guerrilheiro.

"Aos meus estimados compatriotas, que me fizeram a imensa honra de me eleger em dias recentes como membro do Parlamento, lhes comunico que não aspirarei nem aceitarei --repito-- não aspirarei nem aceitarei, o cargo de presidente do Conselho de Estado e comandante-chefe", escreveu Fidel em texto datado de segunda-feira e publicado na terça pelo diário oficial do Partido Comunista.

A decisão de não se candidatar a mais um mandato de cinco anos como chefe de Estado acaba com o mistério sobre o futuro político do homem que governava Cuba desde a revolução de 1959, desafiando os Estados Unidos e se tornando um mito para a esquerda mundial.

Em sua mensagem, Fidel diz não estar "em condições físicas" de encabeçar outro mandato presidencial, embora goze, segundo ele, de "domínio total" sobre suas faculdades mentais.

SUCESSÃO

O sucessor de Fidel como presidente será anunciado no domingo, quando o Parlamento cubano se reúne para renovar o Conselho de Estado, que ele presidia até agora.   Continuação...

 
<p>L&iacute;der cubano Fidel Castro acena a bandeira de Cuba durante desfile em Havana no dia 1o de maio de 2005. Foto de arquivo. Photo by Mariana Bazo</p>