Chuvas eliminam risco de racionamento em 2008, aponta relatório

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008 18:09 BRT
 

Por Reese Ewing

SÃO PAULO (Reuters) - As chuvas deste mês na região Centro-Sul eliminaram o risco de racionamento de energia neste ano, mas incertezas quanto ao fornecimento de gás para o país ainda alimentam temores para 2009 e 2010, opinam analistas.

O Instituto Acende Brasil, que representa investidores no setor de energia elétrica, divulgou nesta terça-feira relatório de monitoramento da oferta e da demanda. O cenário melhorou significativamente para 2008, reduzindo de 7 por cento em outubro para zero, agora, o risco de racionamento.

"Persiste, no entanto, um desequilíbrio grave na oferta e demanda para 2009 e 2010", informou o especialista Mario Veiga, da consultoria PSR, que faz o monitoramento para o Acende.

Apesar de haver risco também em 2011 e 2012, os dois próximos anos preocupam mais porque não há tempo suficiente para concluir obras de geração de energia e atender à demanda crescente, segundo ele.

O Acende constatou que há instabilidade considerável no suprimento de gás natural usado na operação da maioria das termelétricas de emergência, acionadas para complementar a capacidade das hidrelétricas quando os reservatórios estão baixos.

Autoridades da Bolívia estiveram no país na semana passada para pedir perdão da multa se houver descumprimento do contrato de fornecimento de 30 milhões de metros cúbicos por dia, que atende metade da demanda do Brasil.

A Bolívia quer limitar o envio de gás a 27 milhões de metros cúbicos diários e aumentar o fornecimento para a Argentina, que se dispõe a pagar mais que o Brasil. A Bolívia já deixou de fornecer gás para a termelétrica de Cuiabá.

Entrando, no seu terceiro ano de grave crise energética, a Argentina também já reduziu 2.000 Megawatt médios para o Brasil numa linha de transmissão na fronteira e cortou o gás que enviava para a termelétrica de Uruguaiana, no sul do país.   Continuação...