Greve em minas da Potash pode reduzir venda de fertilizantes

terça-feira, 19 de agosto de 2008 16:54 BRT
 

Por Roberta Rampton

WINNIPEG, Manitoba, 19 de agosto (Reuters) - Uma greve em três minas de potássio canadenses da Potash Corp of Saskatchewan (POT.TO: Cotações) pode afetar os embarques do produto para consumidores industriais, que correspondem a 5 por cento das vendas da companhia, afirmou um porta-voz na terça-feira.

No entanto, ainda é muito cedo para dizer como a paralisação de aproximadamente 500 mineiros influenciará as negociações de fertilizantes da Potash Corp, um dos principais negócios da companhia, disse o porta-voz Bill Johnson durante uma entrevista.

"Está um pouco cedo para avaliar qual será o impacto da greve nos nossos compromissos com os consumidores", acrescentou, recusando-se a comentar se algum contrato já havia sido atingido pela greve, iniciada em sete de agosto.

As três minas de Saskatchewan são responsáveis por 30 por cento da produção da Potash Corp e 6 por cento do total de potássio do mundo.

O potássio é importante elemento utilizado para a fabricação de fertilizantes, e o Canadá é detentor das maiores reservas mundiais do minério.

Os produtores de potássio não conseguem acompanhar a demanda pelo fertilizante. Os preços altos das commodities agrícolas incentivam os produtores a comprar mais potássio para o solo, aumentando os rendimentos mesmo com a elevação dos preços do mineral.

Um ano atrás, o potássio era vendido a menos de 200 dólares a tonelada, com base em Vancouver. Mas o mercado avançou para 700 dólares a tonelada até o final de julho, de acordo com dados encontratdos no site da Potash, o que colocava os preços do potássio em mais de 1 mil dólares nos mercados internacionais, frete incluso.

A greve ocorre num momento de baixa temporada para o potássio e não tinha nenhum impacto até o momento nos preços do fertilizantes, disse Barrie Bain, diretor da consultoria Fertecon.   Continuação...