Faturamento do setor de defensivos no país subirá até 10% no ano

quarta-feira, 19 de março de 2008 16:58 BRT
 

Por Roberto Samora

SÃO PAULO, 19 de março (Reuters) - Após se recuperar em 2007 de um período de duas safras agrícolas frustrantes, o setor de defensivos no Brasil tem a expectativa de faturar até 10 por cento a mais em 2008, no embalo de melhores preços das commodities, disse o presidente da Associação Nacional de Defesa Vegetal (Andef), Peter Ahlgrimm.

Em 2007, o mercado do segmento de agroquímicos no Brasil foi de cerca de 10 bilhões de reais, crescimento de 19 por cento ante 2006, segundo a Andef.

"Acreditamos que essa recuperação vai continuar... é difícil prever para 2008, mas a princípio imaginamos que possa haver um crescimento de 5 a 10 por cento", afirmou Ahlgrimm à Reuters, no intervalo de um seminário em São Paulo.

Ele lembrou que, mesmo com a recuperação do setor, os defensivos movimentaram no ano passado, em reais, menos do que o valor verificado em 2004 (13 bilhões de reais).

"Tivemos um crescimento (em 2007), mas muito mais uma recuperação da situação que tivemos em 2004, que se deteriorou nas duas safras seguintes", acrescentou.

Em 2005 e 2006, as indústrias produtoras de agroquímicos sentiram os reflexos dos baixos preços dos produtos agrícolas e da desvalorização do dólar frente o real, com os produtores deixando de pagar muitos compromissos financeiros.

A dívida de agricultores do país junto a empresas de defensivos, em função das dificuldades econômicas enfrentadas, atingiu valores superiores a 3 bilhões de dólares em 2006, lembrou Ahlgrimm.

"Hoje não temos a estatística de quanto foi pago... uma estimativa é de que metade disso ainda está no mercado pendente de pagamento, seja renegociada a prazos mais longos seja sem renegociação", disse ele, lembrando que os mecanismos criados pelo governo para o refinanciamento não estão colaborando para a solução do problema.   Continuação...