UE define regras mais rígidas para a carne do Brasil

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007 21:09 BRST
 

Por William Schomberg

BRUXELAS/SÃO PAULO (Reuters) - Produtores brasileiros de carne bovina enfrentarão a partir do mês que vem exigências mais rígidas para exportar à União Européia, informou a Comissão Européia nesta quarta-feira, respondendo às preocupações dos pecuaristas europeus.

De acordo com as novas medidas, que devem entrar em vigor em 31 de janeiro, a carne poderá ser importada somente de uma restrita lista de propriedades aprovadas no Brasil que estiverem completamente em linha com as exigências da UE e que cumprirem critérios rígidos, relatou o órgão executivo da UE.

"Os animais nessas propriedades aprovadas têm que ter sido mantidos em um dos territórios aprovados (para exportar) pela UE por ao menos 90 dias e precisam ter ficado na propriedade listada por pelo menos 40 dias antes do abate", disse a Comissão em comunicado.

Veterinários dos governos nacionais dos membros da UE aprovaram o novo plano na quarta-feira.

Especialistas da UE viajaram no mês passado para o Brasil, maior exportador mundial de carne bovina, para investigar as reclamações feitas por produtores europeus e membros do Parlamento Europeu sobre os padrões nas fazendas brasileiras.

As inspeções encontraram "deficiências sérias e repetidas na saúde animal do Brasil e nos sistemas de rastreamento", afirmou a Comissão em seu comunicado na quarta-feira.

"Apesar de uma série de alertas da Comissão após inspeções anteriores, as autoridades brasileiras não tomaram as medidas apropriadas para corrigir esses problemas e cumprir totalmente as exigências da UE", completou.

"Além disso, a Comissão sente que é necessário aumentar as restrições às importações de carne brasileira para manter um alto nível de proteção para a saúde animal na UE, evitando a alternativa de uma proibição total".   Continuação...