China exige dos bancos uma redução nos empréstimos, dizem fontes

segunda-feira, 19 de novembro de 2007 09:12 BRST
 

PEQUIM (Reuters) - O governo da China ordenou aos bancos que limitem seus empréstimos até o final do ano, como parte do esforço para manter os investimentos sob controle e evitar o superaquecimento da quarta maior economia do mundo, afirmaram fontes nesta segunda-feira.

As autoridades tradicionalmente exigem um aperto na concessão de empréstimos no último trimestre do ano, mas fontes do setor bancário disseram que Pequim intensificou seus esforços neste ano.

Fontes oficiais e do setor bancário disseram à Reuters que o banco central e a agência reguladora do sistema bancário estão pressionado as instituições a manter o crescimento do volume de novos empréstimos para todo o ano de 2007 dentro da margem oficial de 15 por cento, forçando algumas delas a cortarem drasticamente as concessões nos últimos meses do ano.

Entretanto, as fontes informaram que as instruções, conhecidas como "janela de orientação", não sugerem o congelamento de novos empréstimos.

Em outubro, os bancos concederam empréstimos em moeda local no valor de 136,1 bilhões de iuans (18,3 bilhões de dólares), uma forte queda em relação aos 283,5 bilhões de iuans de setembro e dos 302,9 bilhões de iuans de agosto.

Ainda assim, o valor registrado foi o mais alto para meses de outubro desde 1999.

Nos primeiros 10 meses do ano, os bancos liberaram 3,5 trilhões de iuans em novos empréstimos, ante 3,18 trilhões de iuans em todo o ano passado.

(Por Shen Yan, Zhu Li e Zhou Xin)