Demanda chinesa por minério pode cair após olimpíada--LME

segunda-feira, 19 de novembro de 2007 11:55 BRST
 

SYDNEY, 19 de novembro (Reuters) - O forte apetite chinês por matérias-primas pode diminuir após os Jogos Olímpicos do ano que vem, frente a uma redução nos investimentos por conta de pressões sociais e inflacionárias, disse o diretor da Bolsa de Metais de Londres (LME), Phillip Crowson, na segunda-feira.

Crowson, ex-economista-chefe da mineradora Rio Tinto Ltd/Plc (RIO.AX: Cotações), lembrou durante uma conferência do setor de mineração, na Austrália, que uma onda vigorosa de investimentos na China havia acentuado a demanda por matérias-primas.

"Esta onda pode estar exagerando as necessidades básicas da China, particularmente com a economia (do país) tornando-se mais direcionada pelo mercado e suas estatais se tornando mais eficientes, além de mais ênfase ser dada à proteção ambiental", argumentou Crowson.

A demanda chinesa por minerais subiu nos últimos anos, levando as mineradoras a gastar bilhões na escavação de novas minas em todo o mundo.

Em meio a uma alta nos preços dos minérios, a BHP Billiton Ltd/PLc (BHP.AX: Cotações) (BLT.L: Cotações) fez uma oferta de aquisição à rival Rio Tinto Ltd/Plc (RIO.L: Cotações), por aproximadamente 130 bilhões de dólares, apostando no crescimento do consumo chinês de minérios.

"A China tem de lidar com o aumento da inflação e as pressões sociais, e pode não conseguir sustentar as taxas de investimento e crescimento econômico dos últimos anos sem ao menos uma pausa para respirar após o término das Olimpíadas de Pequim", disse Crowson.

Ele acrescentou que conforme novos projetos entrarem em operação, grande parte da pressão existente para garantir os suprimentos de metais --minério de ferro, cobre, alumínio, manganês, zinco e chumbo-- deve cessar, trazendo os preços do metais para baixo.

Os contratos negociados na LME avançaram para preços recordes ou próximos do maior patamar já registrado, por conta das apostas sobre a continuidade do cenário de uma demanda chinesa mais ampla do que a oferta.

"Apesar de uma parte da capacidade estar levando mais tempo para se desenvolver e se mostrando mais custosa do que o previsto, uma produção adicional suficiente chegará nos próximos três anos para restaurar o equilíbrio do mercado para a maioria das mercadorias", acrescentou Crowson.

(Por James Regan)