Japão deve reduzir gastos e revisar tributos--painel fiscal

segunda-feira, 19 de novembro de 2007 11:37 BRST
 

Por Yoko Nishikawa

TÓQUIO (Reuters) - O Japão precisa reduzir seus gastos governamentais para evitar que o Estado entre em uma situação fiscal insustentável, ameaça que pode se materializar, afirmou nesta segunda-feira a principal consultoria orçamentária do governo.

"Se mantivermos a atual estrutura de gastos e receitas inalterada, a dívida a pagar continuará se acumulando e as condições fiscais nacionais, especialmente do governo central, vão, eventualmente, ficar insustentáveis", afirmou o painel fiscal em sua última avaliação sobre a proposta orçamentária para o próximo ano fiscal japonês, que se inicia em abril.

O painel aconselha o governo sobre política fiscal e orçamento nesta época do ano, e o Ministério de Finanças usa essas avaliações para sua proposta orçamentária.

Em um movimento raro, o painel defendeu uma reforma tributária, incluindo do imposto sobre consumo, como parte da consolidação dos esforços do governo na área fiscal. O imposto sobre consumo gera grande sensibilidade política no país.

Autoridades do governo, incluindo o primeiro-ministro Yasuo Fukuda, sugeriram recentemente que a alíquota do imposto sobre consumo não deveria ser elevada, no próximo ano, dos atuais 5 por cento.

Mas muito especialistas e economistas afirmam que um aumento é inevitável, dentro de um futuro próximo, para financiar os crescentes gastos sociais à medida em que a população japonesa envelhece.

Taizo Nishimuro, chefe do painel, disse a jornalistas que o grupo sempre evitou a menção específica sobre reforma tributária já que esse é trabalho do painel sobre impostos, mas a difícil situação fiscal não deixa mais espaço para tal formalidade.

"Não podemos mais manter nossa boca fechada", disse Nishimuro.