BCs mantêm injeção de recursos apesar de alta dos mercados

sexta-feira, 19 de setembro de 2008 09:02 BRT
 

Por Matt Falloon e Hideyuki Sano

LONDRES/TÓQUIO (Reuters) - Os bancos centrais do mundo continuaram o esforço nesta sexta-feira para desafogar os mercados abertos, injetando mais dinheiro mesmo com a valorização de ações e do dólar em resposta a um plano emergencial nos Estados Unidos para limpar o mercado de débitos podres.

Japão, Austrália, Índia e Indonésia injetaram mais de 42 bilhões de dólares em seus mercados, já que dinheiro continuava difícil de ser encontrado, apesar da ação sem precendentes de quinta-feira, coordenada pelo Federal Reserve dos Estados Unidos, que colocou no sistema 180 bilhões de dólares.

Na Europa há sinais de que o estresse está se abrandando.

O custo de empréstimos em dólar no overnight caiu de volta à meta do Federal Reserve, de 2 por cento, em comparação com a taxa interbancária apresentada em Londres na quinta-feira, de 3,84375 por cento .

O Banco da Inglaterra ofereceu 40 bilhões de dólares para os bancos, mas somente metade disso foi retirado, apesar deste valor ter sido levemente superior ao da retirada de quinta-feira, quando a oferta foi idêntica.

O Banco Central Europeu (BCE) também ofereceu outros 40 bilhões de dólares.

As ações européias se valorizavam fortemente, com o índice FTSEurofirst 300 em alta de 6,91 por cento, por volta das 8h52 (horário de Brasília). O setor bancário respondia pelas maiores valorizações.

Nos Estados Unidos, o Tesouro anunciou na noite de quinta-feira o plano de criar um fundo que irá acabar com dívidas de difícil negociação, que têm estado no centro da crise de crédito, similar ao plano que ajudou a resolver a crise de poupanças e empréstimos do final dos anos 1980.   Continuação...