FMI,Banco Mundial pedem coragem para conclusão da Rodada de Doha

terça-feira, 20 de novembro de 2007 12:15 BRST
 

GENEBRA (Reuters) - Os chefes do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional (FMI) ressaltaram, nesta terça-feira, que a rápida conclusão da Rodada de Doha de negociações comerciais é essencial na ajuda a países pobres.

O presidente do Banco Mundial, Robert Zoellick, disse que países ricos e pobres fizeram considerável progresso nas negociações desde o começo das conversas, as quais ele ajudou a lançar há seis anos na capital do Qatar como representante norte-americano de comércio.

"Temos os elementos de um excelente acordo na mesa. Com vontade política --e um pouco de coragem-- poderemos ter um pacote que pode representar melhoras duradouras para o sistema comercial", disse Zoellick em uma conferência da Organização Mundial do Comércio.

Já o diretor-gerente do FMI, Dominique Strauss-Kahn, afirmou que políticas orientadas para a exportação são necessárias para o crescimento, embora um quadro macroeconômico estável, um ponto no qual o fundo pode ajudar países emergentes, também é essencial.

"A conclusão rápida da Rodada de Doha é uma das condições que tornarão possível para todos nós aproveitarmos oportunidades de crescimento à nossa frente", disse ele. A rodada, paralisada por várias vezes, ganhou impulso em setembro.

Mas diplomatas e autoridades comerciais acreditam que os negociadores de questões agrícolas e industriais não emitirão textos revisados das discussões --fundações de qualquer acordo-- até o começo do próximo ano.

A aparente falta de progresso é compensada por intensas conversas em bastidores, principalmente sobre o crucial setor agrícola, com países ricos e pobres pedindo mais tempo para equacionar números, pois um acordo pode estar dentro do alcance.

Zoellick disse que reformas na área da agricultura oriundas da Rodada de Doha podem ser históricas.

"Os cortes nas barreiras (tarifárias) oferecerão benefícios a toda a economia global nos próximos anos, de maneiras que se pode perceber apenas parcialmente hoje", complementou.   Continuação...