IGP-M sobe forte, mas fica em linha com previsões

terça-feira, 20 de maio de 2008 08:48 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A inflação pelo Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) mais do que quadruplicou na segunda leitura de maio, em linha com o esperado, devido sobretudo a uma pressão no atacado que reflete as elevadas cotações de commodities, informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV) nesta terça-feira.

Além da pressão externa, o indicador começou a captar também o recente aumento dos combustíveis domésticos, sobretudo do diesel. No varejo, por outro lado, a inflação deu sinais de desaceleração.

O indicador subiu 1,54 por cento na segunda prévia deste mês, ante elevação de 0,37 por cento em igual período de abril. Na primeira leitura de maio, a alta foi de 1,36 por cento.

Economistas consultados pela Reuters previam uma taxa de 1,51 por cento, segundo a mediana, com as estimativas variando de 1,47 a 1,60 por cento.

Entre os componentes do IGP-M, o Índice de Preços por Atacado (IPA) teve avanço de 2,02 por cento na segunda leitura do mês, ante alta de 0,22 por cento em igual momento de abril.

O IPA agrícola subiu 2,21 por cento, seguindo a queda de 1,72 por cento na segunda leitura de abril. O IPA industrial teve aumento de 1,95 por cento, contra alta anterior de 0,98 por cento.

Os principais aumentos individuais de preços no atacado foram de arroz em casca (+33,96 por cento), minério de ferro (+11,25 por cento), arroz beneficiado (+47,5 por cento), óleo diesel (5,02 por cento) e bovinos (+2,99 por cento).

VAREJO DESACELERA

Já o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu em ritmo menor, em 0,47 por cento, depois de avançar 0,63 por cento na segunda leitura de abril.   Continuação...