Dívida mobiliária cai 3,44% em julho com cenário ruim

quarta-feira, 20 de agosto de 2008 17:42 BRT
 

Por Isabel Versiani

BRASÍLIA (Reuters) - A dívida interna do governo federal caiu 3,44 por cento em julho e voltou ao patamar de janeiro, refletindo uma concentração de vencimentos no mês e também a decisão do Tesouro Nacional de segurar as emissões diante de um cenário de juros em alta e superávit primário elevado.

A dívida mobiliária somou 1,204 trilhão de reais no mês passado, informou o Tesouro Nacional nesta quarta-feira. Foi o menor nível desde janeiro, quando a dívida somou 1,203 trilhão de reais.

No mês houve um resgate líquido de 57,5 bilhões de reais e a apropriação de juros somou 14,6 bilhões de reais.

O coordenador-geral da Dívida Pública, Guilherme Pedras, atribuiu o movimento a uma concentração sazonal de vencimentos de títulos prefixados e a uma estratégia do Tesouro de emitir menos diante do aumento de custos.

"Não é uma questão de demanda", disse Pedras a jornalistas.

"O superávit robusto dá mais flexibilidade na administração da dívida e dá mais conforto para a gente eventualmente realizar resgates líquidos."

Somado o estoque da dívida externa, a dívida pública federal totalizou 1,297 trilhão de reais, bem abaixo do patamar mínimo de 1,480 trilhão de reais previsto pelo Tesouro em seu Plano Anual de Financiamento para 2008.

Pedras disse, contudo, que ainda é cedo para estimar se essa discrepância se manterá até dezembro.   Continuação...