Mercado revê para baixo previsão de IGP-M de junho após surpresa

sexta-feira, 20 de junho de 2008 13:50 BRT
 

Por Vanessa Stelzer

SÃO PAULO (Reuters) - O mercado começou a revisar para baixo as projeções para o IGP-M de junho, para provavelmente abaixo de 2 por cento, depois do dado abaixo do esperado na segunda leitura do mês, o que é uma boa notícia no curto prazo mas não significa necessariamente o início de um alívio das fortes pressões de preços no atacado.

Além do impacto das commodities internacionais, o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) enfrenta as incertezas sobre o tamanho da alta do feijão e da carnes, produtos que já estão pressionando os indicadores e se acentuarão à frente, tomando o lugar de pressões que já começam a arrefecer, como o arroz.

Enquanto acredita-se que o pico da inflação ao consumidor foi em maio, o mercado não consegue prever o ápice dos IGPs --formados sobretudo pelo atacado. Isso porque apesar de os preços de feijão e carnes também impactarem o varejo, os aumentos de commodities como aço e energia batem diretamente apenas nos índices de atacado.

Silvio Campos Neto, economista-chefe do Banco Schahin, espera agora uma inflação pelo IGP-M deste mês de 1,90 por cento, ante a projeção anterior de 2 por cento.

"O número da segunda prévia surpreendeu. Foi um pouco de atacado, tanto agrícola como industrial, que subiu menos do que a gente esperava", disse ele.

O IGP-M subiu 1,83 por cento na segunda prévia de junho ante 1,54 por cento no mesmo período de maio. Uma pesquisa da Reuters mostrou que a faixa de projeções dos analistas era de 1,90 a 2,20 por cento.

"REFÉNS" DO EXTERIOR   Continuação...