Governo de SP pode levantar um mínimo de R$6,6 bi com Cesp

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008 17:30 BRT
 

Por Alberto Alerigi Jr. e Renata de Freitas

SÃO PAULO (Reuters) - O governo de São Paulo pretende promover no final de março uma das maiores privatizações já realizadas no país em quase uma década, ao colocar em leilão sua principal geradora de energia elétrica, a Companhia Energética de São Paulo (Cesp) . A venda pode levantar pelo menos 6,6 bilhões de reais.

O leilão da companhia, que detém seis hidrelétricas e também é a terceira maior geradora do Brasil, aproxima-se da privatização do banco do Estado, o Banespa, comprado pelo espanhol Santander em 2000, por cerca de 7,05 bilhões de reais.

Mas o custo total da operação pode ser ainda maior, de acordo com o analista da área de energia do Unibanco, Fernando Abdalla dos Santos, que citou os gastos com tag along de ações ordinárias e preferenciais que o grupo vencedor terá de desembolsar. Com isso a operação pode atingir cerca de 15,34 bilhões de reais, desconsiderando ainda dívida de 7 bilhões de reais da companhia.

"Nenhum grupo hoje no Brasil teria condição de fazer essa aquisição sozinho. O mais provável é que se forme um consórcio, e a chance (da venda) sair pelo preço mínimo é muito grande", de acordo com o analista do Unibanco.

Ele citou como possíveis interessados em compor o consórcio para levar a Cesp as empresas Tractebel Energia, CPFL Energia e Neo Energia, do grupo Iberdrola, da Espanha. Segundo informações publicadas pela mídia, pelo data room da Cesp passaram ainda companhias como Light, Copel e Cemig .

O governo paulista colocará em leilão cerca de 133,17 milhões de ações entre papéis ON, PNA e PNB. O Estado controla 95,31 por cento das ações com direito a voto e o preço mínimo por ação divulgado nesta quarta-feira foi de 49,75 reais.

Ainda no movimento de privatização da Cesp, o governo de São Paulo vai entregar à BNDESPar, empresa de participações do BNDES, 8,892 milhões de ações preferenciais da geradora de energia para pagar dívida do Metrô com o banco de fomento. A informação foi divulgada pela Secretaria da Fazenda paulista nesta tarde.

Mais cedo, sem essa informação, a própria Cesp havia avaliado que o valor mínimo da privatização seria de 7,06 bilhões de reais.   Continuação...